Arquivos da Tag: australia

A zoeira é indomável (até no surf)

Que a zoeira é indomável ninguém tem dúvidas, mas que ela chegaria aos tops da WSL é novidade. Um perfil do Instagram fez diversas montagens com vários surfistas profissionais. As imagens misturam rostos, colocam acessórios inusitados nas ondas e no cotidiano dos atletas. Confira algumas imagens do worldsurflols:

filipestorm

Filipinho e a tempestade brasileira.

cava

JOB cada vez mais maluco.

floater

Tomando a frente com estilo. Sally e Laura Never.

 

JJF sempre no controle.

JJF sempre no controle, já Joel…

Antony Walsh com um ângulo privilegiado.

Antony Walsh com um ângulo privilegiado.

 

Confira o filme do surfista da elite mundial Jadson André

Jadson é natural de Natal, Rio Grande do Norte, e tem hoje 24 anos. Surfa desde os 7 anos e já conquistou importantes títulos. Além de vencer a etapa Prime na praia de Carcavelos em Portugal em 2013, foi campeão mundial Júnior, duas vezes vice-campeão mundial Pró Júnior, campeão do WQS 6 prime em Durban 2009, terceiro colocado no Circuito Mundial WQS e campeão do WCT Brasil 2010.

Sem pressão (No Pressure), é o primeiro filme de Jadson Andre. Filmado em lugares como Madilvas, Mentawaiis, Hawaii, Fernando de Noronha, Austrália, Portugal, Califórnia, África do Sul e Natal. O filme conta a trajetória do atleta no ano de 2013, seus desafios, superações e vitorias, até seu retorno a elite do surf Mundial. O filme foi editado em 4 “Websodios”. Aqui você tem um versão completa do filme sem cortes.

Something is calling é novo filme de Jack Fresstone

Something is Calling é a prova de que o jovem de 23 anos já deveria estar na elite da WSL a anos. O australiano de 23 anos, que já foi campeão mundial júnior 2 vezes bateu na trave ano passado ao ficar duas vagas antes da última, para então se qualificar.

Em tradução livre o nome do filme significa “Alguém está chamando”. Talvez seja uma chamada dele para ele mesmo tipo “acorda Jack, você já não pode mais competir na Junior, agora é QS, é WSL, é elite!”. Surf ele tem de sobra, prova disso é que ele voou muito, arrebentou a onda com seu power surf e entubou com muito estilo.

 

Justiça tem de ser feita, é um dos melhores filmes do ano e ele tem de conseguir a vaga pra elite. E também tem que perder o rótulo de “Namorado da Alana”. Sua namorada é pop star do mundo do surf, tem um reality show e por isso largou as competições para viver do marketing.

Assista também um capítulo do show da namorada dele, Alana Blanchard.

 

Confira o que aconteceu no primeiro dia do Quiksilver Pro

Dois jovens australianos roubaram a cena no primeiro dia do Quiksilver Pro Saquarema apresentado pela Powerade e surfaram as melhores ondas da quarta-feira na Praia de Itaúna. Mas, o primeiro a bater os recordes do líder do ranking do World Surf League Qualifying Series, Alejo Muniz, registrados durante a manhã, foi o havaiano Dusty Payne, que totalizou imbatíveis 16,95 pontos com notas 8,73 e 8,23. Depois, o convidado da Quiksilver para esta etapa, Micheal Wright, 18 anos, conseguiu nota 9,0 dos juízes em sua  bateria e Ryan Callinan, 22, arrancou um 9,5 na melhor onda surfada nas séries de 3-5 pés da quarta-feira na Cidade do Surf da Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

“Nada mau sair da água com uma nota dessas. É maravilhoso”, vibrou Ryan Callinan, após a vitória sobre o norte-americano Brett Simpson, o espanhol Gony Zubizarreta e o japonês Hiroto Ohhara na 15.a e penúltima bateria do dia. “Eu tive sorte do Brett Simpson ter deixado passar uma onda que ficou muito boa. Eu precisei ser rápido para pegar ela e fiz tudo certo, consegui aproveitar bem a oportunidade. No ano passado foi minha primeira temporada completa no Circuito Mundial e cometi muitos erros, então este ano espero ser cada vez melhor”.

Callinan estava na lista dos 10 surfistas que o Qualifying Series classifica para a elite dos top-34 da World Surf League até a semana passada, quando caiu para o 13.o lugar no ranking. Duas baterias antes dele, o também australiano Micheal Wright surpreendeu um dos favoritos ao título do Quiksilver Pro Saquarema, o top do CT Jadson André, potiguar que acabou perdendo a briga pela segunda vaga da bateria para o paulista Caio Ibelli. Já o australiano surfou duas direitas de forma impressionante para somar notas 9,00 e 7,83 no segundo maior placar do primeiro dia nas ondas de Itaúna, 16,83 pontos.

Ryan Callinan (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

Ryan Callinan (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

“Só em estar aqui já foi um presente e poder ter avançado em primeiro em uma bateria tão complicada foi melhor ainda”, disse Micheal Wright. “A onda veio e eu soube aproveitar o máximo dela. Este mar é sensacional e espero continuar avançando para subir algumas posições no ranking”, completou o jovem australiano de apenas 18 anos de idade, que chegou no Brasil em 357.o lugar no ranking do WSL Qualifying Series.

Ele foi quem chegou mais perto do recorde de 16,96 pontos do primeiro dia, estabelecido pelo havaiano Dusty Payne na décima bateria da quarta-feira, contra o espanhol Aritz Aranburu, que se classificou em segundo lugar para a próxima fase, o havaiano Kiron Jabour e o australiano Cahill Bell-Warren. Payne é um dos quinze surfistas da elite dos top-34 da World Surf League que estão competindo em Saquarema e defende a antepenúltima posição no G-10 do Qualifying Series. Ele surfou duas ótimas ondas que valeram notas 8,73 e 8,23, sendo o primeiro a superar os recordes de Alejo Muniz da manhã da quarta-feira em Saquarema.

Dusty Payne (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

Dusty Payne (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

“Eu tracei uma estratégia antes da bateria e deu muito certo. Percebi que ninguém tinha visto as ondas da direita que estavam se formando e, mesmo sem a prioridade (de escolha da próxima onda), fui atrás e consegui achar boas ondas”, disse o havaiano Dusty Payne, que foi semifinalista no QS 10000 de Trestles, encerrado no último sábado na Califórnia. “Eu estava exausto da viagem e ainda bem que teve aquele “day off” ontem para me recuperar um pouco. Eu dormi praticamente o dia todo e só acordei para pegar umas ondas e conhecer o mar”.

LÍDER DO RANKING – Durante a manhã, o grande destaque foi o catarinense Alejo Muniz, que estreou no Quiksilver Pro Saquarema batendo os recordes do dia até a sua bateria, a sexta da primeira fase. Ele ganhou nota 8,67 na melhor onda surfada até ali e começou a defender a liderança no ranking do WSL Qualifying Series com vitória, surfando boas ondas na Praia de Itaúna. O português Marlon Lipke também foi bem nesta mesma bateria para passar em segundo com uma nota 8,40, a segunda maior entre os 24 surfistas que já haviam competido nos confrontos que abriram o campeonato na quarta-feira de céu nublado em Saquarema.

Alejo Muniz (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

Alejo Muniz (Foto: Daniel Smorigo / WSL South America)

“Eu assisti todas as baterias antes da minha e não esperava que ela fosse a que tivesse os scores (notas) mais altos. No finalzinho, o Ramzi (Boukhiam) quase virou a bateria, mas ainda consegui pegar mais uma onda que acabou sendo a melhor do campeonato”, disse Alejo Muniz. “O bom que a minha bateria foi o melhor momento de ondas até agora, então estou muito feliz por ter entrado justamente nesta hora. Eu estou bem focado, tentando surfar bem uma bateria cada vez e este evento aqui é muito importante para minha classificação. Eu quero fazer um bom resultado para ter mais calma e tranquilidade no restante do ano”.

Alejo Muniz saiu da elite dos top-34 no ano passado e está na busca para recuperar o seu lugar entre os melhores surfistas do mundo. Ele começou bem a temporada vencendo o QS 6000 de Newcastle, na Austrália, mas só assumiu a ponta do ranking no primeiro QS 10000 do ano, encerrado no sábado em Trestles, na Califórnia, Estados Unidos. O Quiksilver Pro Saquarema é o segundo evento com pontuação máxima para o ranking que classifica dez surfistas para a divisão principal da World Surf League. Em sua estreia na Praia de Itaúna, o catarinense ganhou um dos confrontos internacionais do primeiro dia contra o português Marlon Lipke, o marroquino Ramzi Boukhiam e o australiano Yadin Nicol.

“É muito bom competir aqui em Saquarema, é um lugar que tem muita cultura no nosso esporte, ótimos surfistas saíram daqui e eu sempre falo que para mim aqui é o melhor lugar de ondas do Brasil”,destacou Alejo Muniz. “É só olhar pro mar e ver essas esquerdas e direitas quebrando perfeitas. Fiquei contente que a comissão técnica acertou em adiar o início do campeonato ontem (terça-feira), por ter esperado para começar hoje e vai ter altas ondas a semana inteira, então com certeza vai ter show de surfe aqui em todas as baterias”.

Depois três vitórias australianas, vieram três brasileiras. A primeira com o paulista David do Carmo, que bateu um ex-campeão desta etapa de Saquarema, o australiano Matt Wilkinson, além sul-africano Beyrick De Vries e o argentino Leandro Usuña. Depois aconteceu um confronto 100% sul-americano que foi vencido pelo potiguar Italo Ferreira, uma das novidades na elite do CT este ano, com o uruguaio Marco Giorgi ganhando a acirrada disputa pela segunda vaga do pernambucano Ian Gouveia e do argentino Santiago Muniz.

“Está um pouco difícil o mar, as séries demorando a entrar, difícil de achar a junção, acertar o lip, mas quando você consegue pegar as boas dá para fazer boas manobras”, disse Italo Ferreira, que falou um pouco da vitória sobre Kelly Slater em sua estreia no WCT na Gold Coast. “Foi uma bateria muito boa contra um cara que eu assistia desde moleque, quando comecei a surfar, então quando eu vi que estava com o Kelly (Slater) na bateria, eu já fiquei pensando que teria que vencer essa bateria para mostrar que eu poderia estar lá entre os melhores. Não vieram muitas ondas, mas consegui pegar umas boas, estava com uma tática legal e deu tudo certo, o sonho foi realizado”.

No primeiro dia do Quiksilver Pro Saquarema foram realizadas 16 das 24 baterias da primeira fase, com a 17.a, do defensor do título desta etapa, Wiggolly Dantas, ficando para abrir a quinta-feira que promete ser de ondas bem melhores na Praia de Itaúna. A primeira chamada foi marcada para as 7h30 e seus adversários serão o também paulista Deivid Silva e os franceses Maxime Huscenot e Medi Veminardi, da Ilha Reunião. Na disputa seguinte, outro campeão em Saquarema estreia na sétima edição do evento que vem sendo realizado desde 2009, o catarinense Willian Cardoso, contra o norte-americano Michael Dunphy, o australiano Tom Whitaker e o português José Ferreira.

O POWERADE apresenta QUIKSILVER PRO SAQUAREMA 2015 é uma etapa do Circuito Mundial da WSL – World Surf League, que conta com patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Prefeitura Municipal de Saquarema e apoio da CCR – Via Lagos, Associação Brasileira de Surf Profissional (ABRASP), Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) e Associação de Surf de Saquarema (ASS). O evento está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com.

João Carvalho – WSL South America Media Officer

(48) 9988-2986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

Assessoria do Quiksilver Pro Saquarema:

Roberta Pinto – (21) 980-201-312 – robertamlpinto@gmail.com

 

Fonte e imagens: WSL South America.

 

 

Mineiro vence Slater no 4° dia do Margaret River

O 4° dia de competição do Drug Aware Margaret River Pro foi intenso para os competidores que tiveram que encarar ondas grandes e cavadas que exigiram drops em queda livre. Confira os melhores momentos das quartas de final que deram destaque ao brasileiro Adriano Mineirinho ao vencer nada menos que o 11x campeão mundial Kelly Slater. A próxima chamada para o evento é hoje as 20h no horário de Brasilia, confira quem são os 4 semi-finalistas da competição:

John John Florence X Nat Young

Taj Burrow X Adriano de Souza

 

Owen Wright consegue o primeiro 10 em MR

O Australiano Owen Wright uma direita cabulosa e botou pra dentro com perfeição para conseguir a primeira nota 10 no assustador mar de Margaret River.